sábado, 4 de outubro de 2014

CRISTÁLIA É OUTRO NOME PARA RHODIA NO BRASIL

19/05/2014 às 17:55 – 532 visualizações

Laboratório apoiado por Dilma recebe vigília de ativistas contra testes em animais

Direção do laboratório promete ouvir os ativistas.
Fabio Chaves
Do Vista-se


Aconteceu na madrugada do sábado (17) uma vigília em frente à sede do Laboratório Cristália, em Itapira, interior de São Paulo. O objetivo dos manifestantes é chamar a atenção da mídia sobre testes em animais.

A planta farmacêutica do Laboratório Cristália, que fica a 175 km de São Paulo, foialvo de um protesto pacífico em memória a todos os animais já mortos nas práticas da empresa. A inauguração do mais moderno complexo da instituição, ocorrida em agosto de 2013, contou com a presença de autoridades como o governador do estado de São Paulo Geraldo Alckmin, o Ministro da Ciência e Tecnologia Marco Antonio Raupp e a Presidente da República Dilma Rousseff.

Segundo palavras de Dilma, a empresa, acusada pelos ativistas de utilizar animais para testes e experimentos cruéis, é parceria estratégica do Governo Federal. O Estado brasileiro utiliza seu poder de compra de medicamentos para incentivar o crescimento deste tipo de empresa em solo nacional. Trocando em miúdos, o governo usa o dinheiro de impostos para comprar milhões em remédios para abastecer o Sistema Único de Saúde (SUS).

O discurso da presidente dentro da sede do Laboratório Cristália – que é uma empresa privada – pode ser conferido em um vídeo publicado no canal oficial do Palácio do Planalto no Youtube (assista aqui). Fotos da visita de Dilma ao laboratório podem ser vistas no site do Palácio do Planalto (veja aqui).

Por determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), todo medicamento comercializado no Brasil tem como obrigatoriedade uma fase de testes em animais antes de chegar às prateleiras. Assim, o governo brasileiro financia diretamente pesquisas com animais através do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e do FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos).

Segundo a nota oficial divulgada à imprensa pelos ativistas (reproduzida na íntegra no final desta matéria), a base da manifestação é o Art. 225 da Constituição Federal, que no inciso VII atribui ao Poder Público o dever de preservar a vida dos animais e veda, na forma da lei, práticas que os submetam à crueldade (veja aqui).

Os ativistas da Frente Antivivisseccionista do Brasil, grupo que assina a nota, exigem a instauração de métodos alternativo ao uso de animais e uma reunião com o presidente do Laboratório Cristália, Ogari Pacheco. Após negociações no portão da empresa durante o final de semana, um representante do laboratório prometeu que haverá uam reunião entre Cristália e ativistas ainda esta semana.




Publicidade: