terça-feira, 19 de maio de 2015

https://vimeo.com/41470775

ADMITINDO A CONSCIÊNCIA NOS ANIMAIS

"Não é mais possível dizer que não sabíamos", diz Philip Low

Neurocientista explica por que pesquisadores se uniram para assinar manifesto que admite a existência da consciência em todos os mamíferos, aves e outras criaturas, como o polvo, e como essa descoberta pode impactar a sociedade

Por: Marco Túlio Pires - Atualizado em
Epilepsia: especialistas estimam que 2% da população brasileira tenha a doença
Estruturas do cérebro responsáveis pela produção da consciência são análogas em humanos e outros animais, dizem neurocientistas(Thinkstock/VEJA)

O neurocientista canadense Philip Low ganhou destaque no noticiário científico depois de apresentar um projeto em parceria com o físico Stephen Hawking, de 70 anos. Low quer ajudar Hawking, que está completamente paralisado há 40 anos por causa de uma doença degenerativa, a se comunicar com a mente. Os resultados da pesquisa foram revelados no último sábado (7) em uma conferência em Cambridge. Contudo, o principal objetivo do encontro era outro. Nele, neurocientistas de todo o mundo assinaram um manifesto afirmando que todos os mamíferos, aves e outras criaturas, incluindo polvos, têm consciência. Stephen Hawking estava presente no jantar de assinatura do manifesto como convidado de honra.
Leia mais:
Entenda o manifesto que afirma a existência da consciência em todos os mamíferos, aves e até polvos
Philip Low
Philip Low: "Todos os mamíferos e pássaros têm consciência"(Divulgação/VEJA)
Low é pesquisador da Universidade Stanford e do MIT (Massachusetts Institute of Technology), ambos nos Estados Unidos. Ele e mais 25 pesquisadores entendem que as estruturas cerebrais que produzem a consciência em humanos também existem nos animais. "As áreas do cérebro que nos distinguem de outros animais não são as que produzem a consciência", diz Low, que concedeu a seguinte entrevista ao site de VEJA:
Estudos sobre o comportamento animal já afirmam que vários animais possuem certo grau de consciência. O que a neurociência diz a respeito? Descobrimos que as estruturas que nos distinguem de outros animais, como o córtex cerebral, não são responsáveis pela manifestação da consciência. Resumidamente, se o restante do cérebro é responsável pela consciência e essas estruturas são semelhantes entre seres humanos e outros animais, como mamíferos e pássaros, concluímos que esses animais também possuem consciência.
Leia mais:
A íntegra, em inglês, do manifesto que afirma a existência da consciência em todos os mamíferos, aves e outras criaturas, como polvos
Quais animais têm consciência? Sabemos que todos os mamíferos, todos os pássaros e muitas outras criaturas, como o polvo, possuem as estruturas nervosas que produzem a consciência. Isso quer dizer que esses animais sofrem. É uma verdade inconveniente: sempre foi fácil afirmar que animais não têm consciência. Agora, temos um grupo de neurocientistas respeitados que estudam o fenômeno da consciência, o comportamento dos animais, a rede neural, a anatomia e a genética do cérebro. Não é mais possível dizer que não sabíamos.
É possível medir a similaridade entre a consciência de mamíferos e pássaros e a dos seres humanos? Isso foi deixado em aberto pelo manifesto. Não temos uma métrica, dada a natureza da nossa abordagem. Sabemos que há tipos diferentes de consciência. Podemos dizer, contudo, que a habilidade de sentir dor e prazer em mamíferos e seres humanos é muito semelhante.
Que tipo de comportamento animal dá suporte à ideia de que eles têm consciência? Quando um cachorro está com medo, sentindo dor, ou feliz em ver seu dono, são ativadas em seu cérebro estruturas semelhantes às que são ativadas em humanos quando demonstramos medo, dor e prazer. Um comportamento muito importante é o autorreconhecimento no espelho. Dentre os animais que conseguem fazer isso, além dos seres humanos, estão os golfinhos, chimpanzés, bonobos, cães e uma espécie de pássaro chamada pica-pica.
Quais benefícios poderiam surgir a partir do entendimento da consciência em animais? Há um pouco de ironia nisso. Gastamos muito dinheiro tentando encontrar vida inteligente fora do planeta enquanto estamos cercados de inteligência consciente aqui no planeta. Se considerarmos que um polvo - que tem 500 milhões de neurônios (os humanos tem 100 bilhões) - consegue produzir consciência, estamos muito mais próximos de produzir uma consciência sintética do que pensávamos. É muito mais fácil produzir um modelo com 500 milhões de neurônios do que 100 bilhões. Ou seja, fazer esses modelos sintéticos poderá ser mais fácil agora.
Qual é a ambição do manifesto? Os neurocientistas se tornaram militantes do movimento sobre o direito dos animais? É uma questão delicada. Nosso papel como cientistas não é dizer o que a sociedade deve fazer, mas tornar público o que enxergamos. A sociedade agora terá uma discussão sobre o que está acontecendo e poderá decidir formular novas leis, realizar mais pesquisas para entender a consciência dos animais ou protegê-los de alguma forma. Nosso papel é reportar os dados.
As conclusões do manifesto tiveram algum impacto sobre o seu comportamento? Acho que vou virar vegano. É impossível não se sensibilizar com essa nova percepção sobre os animais, em especial sobre sua experiência do sofrimento. Será difícil, adoro queijo.
O que pode mudar com o impacto dessa descoberta? Os dados são perturbadores, mas muito importantes. No longo prazo, penso que a sociedade dependerá menos dos animais. Será melhor para todos. Deixe-me dar um exemplo. O mundo gasta 20 bilhões de dólares por ano matando 100 milhões de vertebrados em pesquisas médicas. A probabilidade de um remédio advindo desses estudos ser testado em humanos (apenas teste, pode ser que nem funcione) é de 6%. É uma péssima contabilidade. Um primeiro passo é desenvolver abordagens não invasivas. Não acho ser necessário tirar vidas para estudar a vida. Penso que precisamos apelar para nossa própria engenhosidade e desenvolver melhores tecnologias para respeitar a vida dos animais. Temos que colocar a tecnologia em uma posição em que ela serve nossos ideais, em vez de competir com eles.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Empresas tentam impedir a aprovação de projeto que proíbe a exploração de cães para segurança

 ANDA » Agência de Notícias de Direitos Animais

Por Marli Delucca (da Redação)
Animal explorado como cão de guarda pelo grupo Escolta
Animal explorado como cão de guarda pelo Grupo Escolta, em São Paulo
O projeto de lei 55/2015, que proíbe a locação de cães no município de São Paulo, foi aprovado em primeira votação, porém o forte lobby das empresas de locação de cães tenta impedir sua aprovação na Câmara dos Vereadores e em seguida sua sanção.
Amanhã dia 13, às 10h30m na Sala Tiradentes, os vereadores amigos dos empresários que querem “utilizar” e “escravizar” os cachorros para ficarem na linha de tiro de bandidos e assaltantes vão tentar derrubar o PL 55/2015 na Comissão de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente.
Quem desejar coibir essa afronta contra os animais que também vai prejudicar muitos seres humanos, compareça ao Viaduto Jacareí, nº 100 – Bela Vista – 8º andar – São Paulo.
Na primeira audiência de votação apenas os empresários do ramo foram convidados e puderam se manifestar, defendendo a escravização dos cães. Afirmaram, inclusive, que o CCZ, ONGs e protetores “sérios” estão entre seus fornecedores de cães.
Os cães explorados são usados como escravos, pois trabalham contra sua vontade, não cobram férias, nem 13º salário e nem adicional periculosidade.
Vale lembrar que os vigilantes humanos já têm esse direito em todo o Brasil, exceto em cinco estados, e São Paulo é um deles. Os empresários paulistas recusam-se a pagar de imediato quando da sanção que previa o adicional de periculosidade aos vigilantes e seguranças privados devido ao risco de roubos ou outras formas de violência a que estão expostos.
Cada cão explorado nesse ramo pode trabalhar dia e noite sem alimentação adequada, não reclama pela falta de cuidados ou pela crueldade a que é submetido, e não traz demandas trabalhistas. Vivem isolados, sem contato com humanos ou outros animais, são vítimas de envenenamentos e tiros, e são expostos a riscos e descartados quando adoecem ou envelhecem.
Em março de 2013, o Rio Grande do Sul aprovou o projeto que proíbe o aluguel de cães para segurança patrimonial
caes_aluguel[3]
Uma série de denúncias de maus-tratos, abandono e acidentes envolvendo cães de guarda foi que colaborou para a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovar o projeto.
“Foram muitos acidentes e maus-tratos, não há fiscalização”, explicou o comandante do Batalhão de Operações Especiais (BOE) da PM gaúcha, coronel Kléber Rodrigues Goulart.
“Está proibido o aluguel ou arrendamento de cães para segurança. O animal doméstico é companhia para o ser humano. A crueldade de fazer o animal um trabalhador mais barato, não pagando 13º, aviso prévio e fundo de garantia, tira o emprego de um trabalhador profissional de vigilância. Quando você treina o cachorro para ser cão de guarda e o isola, ele vem com todo o instinto da sua ferocidade punitiva”, analisou o deputado Paulo Odone (PPS), autor da proposta.
Após análise de emenda ao PL, onde buscava-se a obrigatoriedade das empresas de que deveriam, durante o ano de transição da proibição definitiva, castrar seus cães explorados para guarda. Esta emenda passou com votação favorável de forma unânime.
Uma outra forma de se manifestar a favor do PL 55/2015, é informar a sua posição aos líderes da Câmara de Vereadores de São Paulo;
ANTONIO DONATO, PT = Presidente da Câmara Municipal de São Paulo donatopt@terra.com.br / fone 11-3396-4150
ARSELINO TATO, PT = Líder de Governo (líder do Prefeito) arselino@tatto.com.br / fone = 3396-4001 / 4002
MILTON LEITE = Líder do Bloco Parlamentar DEM/PR miltonleite@camara.sp.gov.br = fone = 11-33964237
NOEMI NONATO = Líder do PROS – Partido Republicano da Ordem Social noeminonato@camara.sp.gov.br = fone 11-33964341
NETINHO DE PAULA = Líder do PDT – Partido Democrático Trabalhista netinhodepaula@camara.sp.gov.br / fone 11-3396-4299
MARCO AURELIO CUNHA = Líder do PSD – Partido Social Democrático marcoaureliocunha@camara.sp.gov.br / fone = 11-3396-4238
LAÉRCIO BENKO = Líder do PHS – Partido Humanista da Solidariedade laerciobenko@camara.sp.gov.br / fone = 11-33964213
ANDREA MATARAZZO = Líder do PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira andrea@andreamatarazzo.com.br / andreamatarazzo@camara.sp.gov.br fone = 11-3396-4460 / 4390
NELO RODOLFO = Líder do PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro vereadornelorodolfo@camara.sp.gov.br / nelorodolfo@uol.com.br fone = 11-3396-4232
TONINHO VESPOLI = Líder do PSOL – Partido Socialismo e Liberdade toninhovespoli@camara.sp.gov.br /toninhovespoli@terra.com.br fone = 11-3396-4655
ELISEU GABRIEL = Líder do PSB – Partido Socialista Brasileiro vereador@eliseugabriel.com.br / fone = 11-3396-4403
JULIANA CARDOSO = Líder do PT – Partido dos Trabalhadores julianacardosopt@camara.sp.gov.br / fone = 11-3396-4315
RICARDO YOUNG = Líder do PPS – Partido Popular Socialista ricardoyoung@camara.sp.gov.br / fone = 3396-4681
ADILSON AMADEU = Líder do PTB – Partido Trabalhista Brasileiro adilsonamadeu@camara.sp.gov.br / fone = 11-3396-4628
ATILIO FRANCISCO = Líder do PRB – Partido Republicano Brasileiro atiliofrancisco@camara.sp.gov.br / fone = 11-3396-4434
DALTON SILVANO = Líder do PV – Partido Verde daltonsilvano@camara.sp.gov.br / fone = 11-3396-4306
PASTOR EDEMILSON CHAVES = Líder do PP – Partido Progressista vereador.predemilson@camara.sp.gov.br / fone = 11-3396-4161