sábado, 27 de setembro de 2014

As dores da empatia

 
12 h ·
Eu já não tenho mais sonhos, agora tenho metas.

Quem consegue enxergar a vida como é, e não como está, sabe que o desapego a tudo e a todos é primordial. Hoje já não vivo os dias eu os conto. Hoje já não olho, eu observo...hoje já não escuto, eu sinto. Vejo a vida com outra tonalidade, não há mais brilho, ta fosco.

Toda essa mudança, é derivado do sofrimento dos animais. Não dá para ser normal, onde a normalidade é anormal. Não da pra ser indiferente, onde aqueles que sofrem sentem o que sinto. Não da pra ser humano, arrastando o peso da nossa maldade nas costas e fingir que somos filhos de Deus e vamos para o céu. Não dar para enganar a mim mesmo, a partir do momento que o óbvio força minhas pálpebras. 

Não da para me anestesiar, sabendo que depois da onda o mal volta em doses cavalares. Então apenas sigo, esperando que tudo passe mais rápido possível.