terça-feira, 15 de dezembro de 2015

NOSSOS CRIMES NÃO TEM TAMANHO


Escreva um comentário...
E essas "boas-vindas" para viver no inferno (que a humanidade o criou para bilhões de animais explorados - só para alimentação - todos os anos) também se aplica a suínos, bovinos, perus, etc...
Daqui há alguns dias, uma considerável parte da humanidade estará celebrando 'a paz, o amor e a vida" regado a um banho de sangue de seres vulneráveis!
Sidney Forte
"Bem vinda ao mundo, pequenina !!
Você que acabou de nascer e teve o biquinho decepado. Deve estar doendo muito eu sei. É para que você não bique a si mesma e nem às tuas companheiras quando se sentir desesperada. E acredite: você vai se sentir desesperada!
Irá para uma cela agora, que quando crescer mal caberá teu corpo. Não conseguirá esticar as asas, se espreguiçar, saltar e muito menos andar.
Jamais saberá o que é ciscar, fazer ninhos, se empoleirar...só sentirá o desejo latejando sem entender direito.
Nunca verá o sol ou sentirá a chuva. Muito menos saberá que existe noite e por isso nunca dormirá.
Teus dias serão eternos, passará a vida sob lâmpadas que manterão tua vontade de comer sem parar.
Comerá muito e por isso crescerá rápido e começará cedo a botar ovos. E botará ovos sem parar. Mas jamais os verá. Eles não serão teus.
Com o tempo tuas pernas doerão muito, por não se movimentar. Talvez nasçam até feridas nas plantas dos pés, que cicatrizarão grudando teus pés nas grades.
Quando você estiver muito fraca e já não servir para botar ovos, como uma máquina eficaz, estará perto enfim o fim do teu sofrimento.
Você que só nasceu para sofrer, que mesmo sendo capaz de sentir alegria, não terá tido um só momento dela, terá enfim descanso...cortarão teu pescoço e com sorte morrerá de uma vez e não sentirá ainda o último requinte num tanque de água fervente.
E teu corpo tão triste e tão sofrido será alimento de quem pagou por cada minuto de teu castigo.
E eu, do alto da minha impotência, só posso te dizer agora e na hora de tua morte: NÃO POR MINHA CAUSA !! " texto de Leide Fuzeto Gameiro