quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

FIM DA LINHA

Acabando com a indústria de carne de cachorro na Coreia do Sul: Uma jornada de um milhão de lágrimas

Por Lola Webber / Tradução de Alice Wehrle Gomide
Foi pela primeira vez, seis anos atrás, que eu visitei Moran Market, o maior mercado de carne de cachorro da Coreia do Sul. Sendo alguém que sempre amou cães e nunca questionou o fato de que eles são de verdade “meus” melhores amigos, se não do “Homem”, vendo cães esperando por seu momento do abate foi horrivelmente surreal e doloroso de testemunhar. Aquele momento quando um comerciante abriu a gaiola e jogou um laço no pescoço do cachorro, arrastando-o para a morte está gravado na minha mente. Eu fechei meus olhos, chorando silenciosamente, e queria mais do que qualquer coisa que eu pudesse tirar a dor do cachorro. Tendo a esperança de que, de alguma forma, cada cão soubesse que eu estava do lado deles e que eu me importava. Que eu podia vê-los e que sua dor me machucava tão profundamente. Eu queria poder dizer a eles que eles importavam para mim e que testemunhar seu sofrimento mudaria minha vida para sempre – que seu sofrimento não seria em vão.
Naquela manhã fria em Seul eu fiz uma promessa que mudou minha vida. Eu prometi que iria continuar lutando até que os cães não valessem mais somente pela carne em seus corpos. Seus lindos corpos quebrados já tinham sofrido tanto antes mesmo de chegarem àquele mercado sem coração.
Cães à venda do lado de fora de uma “loja de saúde” em um dos mercados de carne de cachorro de Seul.
CoreiaDoSul acabando industria carne cachorroFotos: Change for Animals Foundation
A maioria dos cães usados para abastecer os mercados de carne, restaurantes, matadouros e “lojas de saúde” da Coreia do Sul vem das fazendas de cachorros. Existem milhares dessas fazendas por toda a Coreia do Sul, variando desde pequenas instalações de fundo de quintal, com um pequeno número de cães, até enormes instalações contendo milhares de cães. Apesar do tamanho da fazenda, o sofrimento dos animais é o mesmo. Através de suas curtas vidas não há um descanso, nenhum momento de felicidade ou ausência de medo. É uma existência lamentável com um final brutal.
Uma típica fazenda de cães na Coreia do Sul.
CoreiaDoSul acabando industria carne cachorro2
Eu também me lembro de tudo sobre a primeira vez que visitei uma fazenda de cães. Os cheiros, sons e a visão dos rostos espiando através das barras de suas jaulas eram esmagadores. A tristeza que eu senti foi sufocante. Eu saí de perto e chorei. A sensação de desesperança, combinada com a necessidade de fazer algo AGORA, foi esmagadora. Sair de lá e dar as costas para o sofrimento e a miséria não caia bem no meu coração e na minha alma, e isso me encheu com uma vergonha que iria me destruir ou fazer com que eu lutasse mais duro.
Então, quando o fracasso não é uma opção, você luta. Você luta pelas vidas desses animais como se estivesse lutando por sua própria vida. A única coisa que você sabe com certeza é que desistir não é uma opção e que você precisa agir agora, porque amanhã será muito tarde para muitos cães...
A CFAF – Change For Animals Foundation foi fundada para que sempre houvesse uma organização que lutaria pelo fim do sofrimento dos cães na Coreia do Sul. Nós continuaremos não importa quão difícil fique, e não importa quão impossível ou distante nossa vitória possa parecer. É uma campanha muito dura – uma que requer tenacidade para mudar ambos os status legal e social dos cães, para que todos estes sejam vistos igualmente nos corações das pessoas e pelas leis designadas para protegê-los.
Um cão espiando de dentro de sua jaula em uma fazenda de cães perto de Seul.
CoreiaDoSul acabando industria carne cachorro3
Foram anos de pesquisa e investigações para conseguir um completo entendimento da indústria da carne de cães na Ásia; para determinar as motivações, as razões, e a mudança na cultura, construindo relacionamentos de valor inestimáveis e ganhar a confiança de pessoas dentro dessa indústria. Por todo esse tempo, a dor de ver esses cães e testemunhar seu sofrimento horrível foi imensurável.
Mas, ao mesmo tempo, nós tivemos tantas vitórias. E cada uma delas nos deu força para colocar um curativo em nossos corações quebrados e seguir em frente.
Nós nos apegamos a essas vitórias e nos lembramos do imenso significado deste movimento para ganhar a proteção e inspirar a compaixão pelos animais na Coreia do Sul e além...
O lançamento da campanha “Pare com isso!” contra a carne de cães pela CFAF, CARE e Animal Guardians em 2013.
CoreiaDoSul acabando industria carne cachorro4
O apoio de nosso pequeno, mas muito determinado exército de incríveis apoiadores online de todo o mundo, nos permite continuar a criar esta mudança duradoura e positiva.
A demanda pela carne de cães na Coreia do Sul está diminuindo, particularmente entre as gerações mais jovens onde a posse de animais de estimação está crescendo exponencialmente. Como um exemplo maravilhoso, o mais antigo restaurante de carne de cachorro do país fechou em 2014, após 33 anos de operação, já que viram os clientes se afastarem de comer algo que agora é mundialmente visto como animal de companhia.
Graças aos grupos locais e indivíduos inspiradores, o movimento pelos direitos dos animais é a campanha civil que mais rapidamente cresce na Coreia do Sul, crescendo em força e número a cada ano que passa.
Nós também estamos vendo uma mudança incrível naqueles envolvidos na indústria – comerciantes, fazendeiros e donos de restaurantes – que estão considerando seu modo de vida e mudando suas opiniões. Eu conheci muitos comerciantes e fazendeiros de cães, e nenhum deles mostrou orgulho pelo seu trabalho, cada um deles expressando o remorso pelos cães que sofreram em suas mãos. Eles me dizem que estão prontos para deixar esta indústria, mas precisam de ajuda para isso.
A CFAF sabe que a mudança será mais efetiva quando vier de dentro, então nós estamos comprometidos a trabalhar com aqueles na indústria que querem acabar com o comércio de carne de cães. Ao mostrar aos trabalhadores dessa indústria que há uma forma de mudar e ao unir nossos pedidos ao governo para apoiar o fim desse comércio, assim como apresentando alternativas sustentáveis e viáveis, nós podemos e iremos acabar com a indústria de carne de cães. Nós sempre trabalhamos em parceria com indivíduos e grupos locais e internacionais de proteção animal, porque nós acreditamos que a mudança mais rápida virá de um movimento unificado. E parte de nossa atual atividade essencial envolve fazendeiros que estão prontos para fechar suas fazendas, e ajudando os comerciantes que querem deixar a indústria e mudar para um comércio mais humano.
E nossa abordagem está funcionando!
As fazendas de cães estão sendo fechadas e centenas de animais já foram salvos de um destino cruel – eles foram resgatados e começaram novas vidas de liberdade, amor e compaixão.
Gillian foi resgatada de uma fazenda de carne de cães em julho de 2015.
CoreiaDoSul acabando industria carne cachorro5
Pelos últimos seis anos, eu visitei a Coreia do Sul várias vezes. Eu sempre vou lá com um coração pesado porque eu sei que irá machucar testemunhar a dor desses animais. Mas ir embora machuca ainda mais. Deixar tanto sofrimento para trás que eu não pude consertar consome meu ser. Mas a CFAF sempre irá voltar. E nós sempre iremos lutar para acabar com toda a indústria, enquanto salvarmos o máximo de animais que pudermos no caminho, porque cada um desses indivíduos neste mundo é importante.
O cachorro embaixador da CFAF, Django, é de uma raça considerada como ‘cachorro de carne’ na Coreia do Sul. Ele foi resgatado de uma fazenda de cães em junho de 2013 e agora vive com Lola e sua família.
CoreiaDoSul acabando industria carne cachorro6
Pelo fato de que esta história tenha começado no Moran Market, é aqui que ela será terminada. Mas eu terminarei com uma história de esperança... Com a história da “Nun” (significa “neve” em coreano):
Era uma tarde fria em janeiro alguns anos atrás no Moran Market. Estava nevando e já estava escuro. Nós estávamos indo embora quando eu vi uma cachorra correndo pelo estacionamento na frente do mercado, cerca de somente 100 metros dos comerciantes de carne de cachorro. Ela estava aterrorizada e, conforme eu me aproximei dela, ela se escondeu embaixo de um carro. Eu implorei para que ela saísse e prometi que ela ficaria segura se ela viesse até mim... Eu rastejei embaixo do carro para chegar até ela e estiquei minha mão. Ela a lambeu. Eu a convenci a sair e nós a colocamos no carro e fomos embora... Nun (ou “Nunnie” como nós a chamamos depois) era uma dessas raças consideradas como “cachorro de carne” na Coreia do Sul. Ela provavelmente de alguma forma conseguiu fugir dos comerciantes. Simplesmente assim, dentro de nosso carro e segura em meus braços, a indústria de carne de cachorro acabou para ela. Eu lembro que pensei enquanto a gente ia embora, “como que alguém tão linda acabou em um lugar tão horrível”. Nunnie agora está vivendo nos EUA e é adorada, sendo tratada com a compaixão e o amor que ela merece... e que todos os animais merecem. Para mim, ela sempre será um milagre e um símbolo de esperança.
Nunnie momentos após ser salva do Moran Market.
CoreiaDoSul acabando industria carne cachorro7
Nunnie aproveitando sua nova vida, livre do medo.
CoreiaDoSul acabando industria carne cachorro8
As pessoas frequentemente me perguntam se eu realmente acredito que um dia a indústria de carne de cachorro acabará na Coreia do Sul. Para mim isso sempre parece uma pergunta estranha porque, para nós da Change For Animals Foundation, não é uma questão de “se”, mas “quando”. E eu sempre respondo com um resoluto “SIM!”.
Fonte: One Green Planet
Nota do Olhar Animal: Uma ação focada na não exploração para consumo de uma espécie animal específica, como o caso do cão, parece sempre levar em consideração o impacto que o consumo destes animais tem para as pessoas (emocional, no caso) e não o impacto que tem para os próprios animais. Não fosse assim, porque distingui-los entre tantas outras vítimas do apetite humano, como os porcos, as vacas e as aves? No fim, parece que o que está sendo defendido em uma ação deste tipo é o interesse humano em não ficar consternado com a situação (o que ocorre para grande parte das pessoas no caso dos cães e não no de outros animais) e não o direito animal de não ser morto, de não ser maltratado e abusado.

Mais notícias